É fato constatado, nos dias atuais, a eficiência no emprego de drones em diversas tarefas em empresas e indústrias.

Realmente, com o aprimoramento dessa tecnologia passou a ser possível sua aplicação a diversas situações e contextos.

Isso trouxe como benefício a substituição da mão de obra humana em circunstâncias arriscadas, além de baratear e tornar mais ágeis certas tarefas.

No entanto, podemos nos perguntar se, de fato, a utilização de drones nessas tarefas substitui com eficiência e vantagem o trabalho humano.

Para tentar responder a esse questionamento, preparamos um conteúdo especial. Esperamos que você aproveite!

 

A invasão dos drones no mercado de trabalho

 

Antes de qualquer coisa, é importante que tenhamos uma dimensão do crescimento do uso de drones.

Sabemos que o uso desses equipamentos se alastrou por várias áreas, sendo utilizados hoje por empresas dos mais variados segmentos.

De empresas de e-commerce, até mineradoras, petroleiras e empresas ligadas à construção civil, os drones marcam presença em atividades tidas como complexas.

A agilidade e a rapidez com que essas tarefas são realizadas quando empregados RPA’s são atrativos para a contratação desses serviços.

Além disso, essas aeronaves, em alguns casos, evitam que se ponha homens em risco, no caso de atividades que envolvem alturas, por exemplo.

Por essas vantagens e outras, algumas empresas brasileiras já substituíram com sucesso mão de obra humana em alguns setores, de maneira definitiva.

Essas empresas investem alto na compra e manutenção de drones. No entanto, os custos desse investimento são muito menores se comparados à contratação de operários.

Estes, além de terem direito a salários compatíveis com suas funções, contam ainda, a depender da atividade, com adicionais de insalubridade e outros tipos de adicionais.

Além de proporcionar uma diminuição substancial das operações, os drones as simplificam em muito.

Para realizar inspeções e monitoramentos de instalações que compõem sua estrutura, uma empresa pode utilizar drones que vão até local e realizam o serviço.

Com isso, evita-se a montagem de “operações de guerra”, com deslocamentos onerosos de pessoal e equipamentos.

 

Drones ou homens: qual trabalho utilizar

 

No entanto, não são todas as tarefas que podem ser realizadas por drones. Assim, mesmo no caso das inspeções a que nos reportamos no tópico anterior, faz-se necessário o emprego de homens para realização de consertos.

Por isso, alguém poderia colocar que a mão de obra humana na realização de monitoramentos é mais eficiente, visto que permite a solução do problema in loco.

Todavia, é preciso que se diga o quanto esse trabalho realizado por drones contribui para uma melhor identificação de problemas.

Podemos falar que, na maioria dos casos, os RPA’s auxiliam os homens na realização de determinadas tarefas.

Pensando nesses prós e contras, podemos oferecer como dica que se utilize drones nesses trabalhos.

Ainda que não possam resolver os problemas identificados, eles oferecem uma visão privilegiada deles.

Com isso, o nível de assertividade das soluções propostas tende a aumentar. Ademais, a redução de mão de obra necessária para a realização desses trabalhos é notável: operador do drone e observador (quando necessário).

Assim, evita-se as constantes mobilizações de equipes e equipamentos a que nos referimos no tópico anterior.

Ademais, o uso de drones desburocratiza a realização do trabalho, já que o emprego de mão de obra humana em tarefas arriscadas envolve uma série de aspectos legais.

Ainda que no caso de drones haja regulamentações e normas que devem ser obedecidas, estas são mais facilmente cumpridas para estas aplicações.

 

Enfatizando as vantagens dos drones em relação aos custos

 

Conforme já dissemos, a utilização de drones é bem menos onerosa do que o emprego de mão de obra humana.

No caso desta, há custos relacionados a treinamentos e benefícios garantidos em lei, sem contar com o emprego dos equipamentos necessários à garantia da integridade física do trabalhador.

Com o uso de RPA`s, é possível utilizar operadores multidisciplinares, ou seja, o operador é capaz de realizar atividades para mais de um setor na empresa, aumentando a eficiência e reduzindo custos.

Na AES Tietê, empresa do segmento de energia, por exemplo, todo o programa de implantação de monitoramento das usinas hidrelétricas por drones custou cerca de 500 mil reais.

De acordo com o presidente da empresa, esse era o valor que a empresa pagava de salários para o pessoal envolvido nessas operações.

Isso sem contar com os custos com deslocamento de equipes e equipamentos de proteção individual.

Nesse artigo, comparamos o emprego de drones e mão de obra humana, indicando os prós e contras de cada parte. Falamos do impacto da utilização de drones no mercado de trabalho e das vantagens oferecidas por esses equipamentos na realização de determinadas tarefas.